WhatsApp
(11) 987-135-444

2 de janeiro de 2014

EXCLUSIVO: Ivan Sartori, a última entrevista

Arquivo Assetj
por Sylvio Micelli / ASSETJ

Nesta quinta-feira, dia 2 de janeiro, oficialmente, o desembargador Ivan Ricardo Garísio Sartori deixa o comando do maior Judiciário do País.

Com a sensação do dever cumprido e comemorando uma gestão que foi marcada por colocar o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo exaustivamente na mídia, além do choque de gestão reconhecido por muitos, Ivan Sartori não descarta o desejo de voltar à presidência. Tempo, ele tem de sobra, pois completará 56 anos no próximo dia 14 de janeiro.

Enquanto isso, ele voltará a exercer suas funções na Câmara de Direito Penal e não tem ambições políticas, mas já se coloca como cabo eleitoral do filho que pretende se candidatar a uma vaga de deputado nas próximas eleições.

Leia os principais trechos da última entrevista com Sartori presidente, ao menos, nesta gestão.

Sylvio Micelli - No dia da eleição para o TJ-SP [em 4 de dezembro de 2013], o senhor comemorou o resultado dizendo que o Tribunal estava "coeso". O senhor acredita que isso seja, por parte de seus pares, uma avaliação positiva de sua gestão?

Ivan Sartori - Sim. Com certeza. O Tribunal está bastante coeso e harmônico. Isso já vinha se demonstrando na nossa gestão. Eu tirei muito proveito desta coalizão, que me ajudou muito na administração.

SM - Como o senhor viu a eleição do desembargador José Renato Nalini, ainda em primeiro turno?

IS - Não apenas a eleição dele, mas o pleito mostrou que o Tribunal de Justiça está unido. Tivemos apenas catorze ausências de desembargadores, algo inédito na história desta Corte. Os colegas estão participando ativamente da vida e da direção do Tribunal e fazendo com que o TJ se encaminhe para grandes avanços.

SM - Ao sair da presidência do TJ-SP, qual será o seu futuro?

IS - Vou cuidar dos meus processos na Câmara de Direito Penal.

SM - O senhor pensa nos tribunais superiores ou candidatar-se a algum cargo eletivo?

IS - Não. Volto para a minha Câmara. Em relação às eleições, hipoteticamente, é possível que meu filho [Guilherme Sartori] dispute uma vaga a deputado em 2014 com meu apoio.

SM - Uma das principais discussões na reta final do seu mandato foi a possibilidade ou não da reeleição do presidente do TJ-SP. O senhor é a favor da reeleição? Pretende voltar algum dia?

IS - Eu acho importante que jogamos uma luz neste tema. Sou sim favorável. Dois anos é um mandato muito curto. Acho que o ideal são dois anos, com a possibilidade de mais dois. Conseguimos aprovar [no Órgão Especial pela Resolução 606] a possibilidade de que todos os desembargadores se candidatassem nas eleições e não houve alteração disso no Supremo Tribunal Federal (STF). Sobre a possibilidade de reeleição, não descarto a ideia, mas é preciso mudar a Loman [Lei Orgânica da Magistratura].

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Os textos são de autoria do Jornalista Sylvio Micelli. Publicação autorizada com a citação da fonte. Tecnologia do Blogger.

Labels

Funcionalismo (406) 2013 (344) Jornalismo e Nada Mais (294) Política (168) Assetj (166) Corinthians (159) Fespesp (141) 2014 (127) CNSP (110) Iamspe (89) CCM Iamspe (82) 2015 (23)