WhatsApp
(11) 987-135-444

22 de julho de 2013

Educação não tem hora nem lugar. Joaquim Barbosa errou.

por Sylvio Micelli

Já vou me antecipar a um assunto que, certamente, dominará as discussões na semana, talvez alguns dias a mais, já que o caso bomba na Internet e suas redes sociais multifacetadas, conectadas e por vezes insanas.

O vídeo, que reproduzo abaixo, mostra o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Joaquim Barbosa cumprimentando o Papa Francisco, em sua primeira visita ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude.

Joaquim Barbosa cumprimenta Sua Santidade, mas não cumprimenta a presidente da República Dilma Rousseff.

Os que são anti-petistas já soltam fogos de artifício e lançam, ainda que remota e histericamente, a candidatura de Barbosa para a presidência da República fato que, só comprova que ainda estamos no Mobral da política, figura de linguagem que furto de uma grande amiga do funcionalismo.

Precisamos, gigantes adormecidos, mais que acordar, crescer, maturar, se desenvolver.

Joaquim Barbosa, se fez sem querer, cometeu um ato culposo, sem a intenção de fazê-lo, mas que consumou.

Agindo com dolo, ou seja, com a vontade de fazer, mais que o ato em si, foi extremamente deselegante.

Sua primeira deselegância se dá pelo fato de Dilma ser uma autoridade, queiram ou não, gostem ou não. Não gosta dela? Não vote. Faça campanha para o adversário, mas sempre com educação.

Foi deselegante duas vezes, posto que Dilma é mulher e um homem deve tratar uma mulher com a reverência e o respeito que as mulheres merecem.

Foi deselegante três vezes. Ele também é uma autoridade. Ele se deve dar ao respeito porque representa o Poder Judiciário em sua mais ampla magnitude.

Foi deselegante quatro vezes. Ele é negro. Deve ter sofrido muito preconceito ao longo de sua trajetória porque, infelizmente, vivemos num país preconceituoso. Mas a dor que certamente sentiu não o fez uma pessoa que aprendesse e desse o exemplo.

A política, por vezes, requer estômago para lidar com situações quiçá constrangedoras. Eu mesmo já apertei mãos que não gostaria, mas que faz parte do jogo e quem exerce o poder deve saber lidar com a situação.

Ao mostrar sua falta de educação não merece sequer postular, ainda que hipoteticamente, qualquer cargo público. Ele nivelou-se àqueles que julga e cabe a um juiz, acima de tudo, ser neutro em suas posições.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Os textos são de autoria do Jornalista Sylvio Micelli. Publicação autorizada com a citação da fonte. Tecnologia do Blogger.

Labels

Funcionalismo (406) 2013 (344) Jornalismo e Nada Mais (294) Política (168) Assetj (166) Corinthians (159) Fespesp (141) 2014 (127) CNSP (110) Iamspe (89) CCM Iamspe (82) 2015 (23)