WhatsApp
(11) 987-135-444

27 de janeiro de 2013

Por que choramos os mortos de Santa Maria?

Foto: Germano Roratto (Agência RBS)
por Sylvio Micelli

Neste domingo, aprazível dia de descanso, acordamos consternados com o incêndio numa boate em Santa Maria, bem no centro do querido estado do Rio Grande do Sul. Os números iniciais indicam mais de 230 mortos e quase igual número de feridos. Os sobreviventes podem ter sequelas para o resto de suas vidas, por conta da fumaça exalada, isso sem falar nos graves e irremediáveis problemas psíquicos que os acompanharão até o final de seus dias.

A grande maioria das vítimas fatais era composta por jovens entre 16 e 20 anos, ou seja, indiretamente, nossos filhos estavam lá numa situação que se pode repetir em outros lugares.

O episódio na casa noturna Kiss não é um caso isolado. Casas como essas existem aos milhares pelo país. Em linhas gerais são lugares pequenos, que vivem abarrotados e em condições de segurança inadequadas e até inexistentes.

Choramos a morte de pessoas que poderiam ser nossos filhos e amigos por três erros básicos, típicos do país do jeitinho, da propina, da corrupção e do descaso do poder público:

1. Os alvarás de funcionamento da casa estavam vencidos. De duas, uma: ou a prefeitura de Santa Maria e seus órgãos foram negligentes ou, o que é bem provável, a casa pagou o "famoso cafezinho" à fiscalização para "deixar quieto";

2. Fogo e material de alta combustão são altamente perigosos. Casas noturnas tem forros, isolamento acústico e muita fiação. Isso, qualquer criança que estuda o mínimo de Química (como é o meu caso) já sabe. Imagine colocar elementos pirotécnicos num espaço fechado, com muitas pessoas e com muito material pronto para queimar...

3. Seguranças fecharam as portas e não permitiram a saída das pessoas para não saírem "sem pagar" o consumo. Infelizmente, trata-se de uma carreira que precisa urgente regulamentação. Geralmente são pessoas grandes em tamanho, pequenas em cérebro. São mal preparadas, não são profissionais e geralmente fazem esses trabalhos como "bico" para ganhar uns trocos a mais.

Só podia dar merda. E deu.

Nas próximas semanas, a mídia falará exaustivamente sobre o que ocorreu com o segundo maior incêndio do Brasil só perdendo para o Gran Circus Norte-Americano, no longínquo 1961, quando mais de 500 pessoas morreram num incêndio criminoso. Muitos especialistas em tudo falarão sobre tudo. Mas nada trará de volta os mortos, nem recuperará as famílias dizimadas.

O assunto sumirá da mídia, aparecerá nas retrospectivas de final de ano e aguardaremos até a próxima tragédia.

P.S. Aos meus queridos amigos gaúchos. meu pesar. Paulo OlympioLuís Fernando SilvaAguinaldo Sotto Mayor PratesAna Paula CarrionCarolina JardinePaulo CamposAssociação Servidores da Justiça

9 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Os textos são de autoria do Jornalista Sylvio Micelli. Publicação autorizada com a citação da fonte. Tecnologia do Blogger.

Labels

Funcionalismo (406) 2013 (344) Jornalismo e Nada Mais (294) Política (168) Assetj (166) Corinthians (159) Fespesp (141) 2014 (127) CNSP (110) Iamspe (89) CCM Iamspe (82) 2015 (23)