WhatsApp
(11) 987-135-444

23 de dezembro de 2012

Hoje comprei 5 LPs...

por Sylvio Micelli

Último final de semana antes do Natal, dei um pulo nas velhas Galerias da rua 24 de maio, no Centro de São Paulo, a fim de garimpar bons LPs, prática de outrora que abandonei (e arrependo-me profundamente) e que retomei já há algum tempo. Amante de música que sou, nem preciso explicar aqui as diferenças do som do LP se compararmos às pasteurizações dos CDs, MP3s etc. Claro que a facilidade tecnológica nos impõe tais modernismos. Mas se você tiver bom gosto, basta comprar um toca-discos (há muitos modelos na praça) e visite todos os sebos que puder. Muita coisa está sendo lançada e relançada em vinil, mas os preços, em geral ainda estão abusivos, até porque o Brasil adora cobrar impostos. Algo incompreensível para mim é saber que o LP de uma banda nacional renomada e relançada sai por 180 reais, enquanto um LP importado de uma banda inglesa também importante custa a metade.

Bom. Reclamações a parte, vamos ao que eu comprei.


Chapterhouse - Whirlpool (1991) - Space Age Recordings

No final dos anos 80, no sul da Inglaterra, guitarras distorcidas, vocais refinados e melodias suaves resultaram num movimento que ganhou o mundo conhecido como "shoegaze". A ideia era pegar o barulho de bandas como Jesus and Mary Chain ou My Bloody Valentine, adicionar elementos etéreos e pronto. Apresentações sempre eram marcadas com os membros da banda olhando para o chão, sem encarar a plateia. Daí o termo "shoegaze".

Dentre muitas bandas o LP "Whirlpool" do Chapterhouse transformou-se numa grande referência ao estilo, não apenas pelas melodias e o suave vocal de Andrew Sherriff mas, principalmente, pela produção de Robin Guthrie, um dos mentores da cultuada banda Cocteau Twins, o que transformou o álbum em algo ainda mais denso, soturno, maravilhoso.

Pura reflexão, destaque para as faixas "Pearl", "Falling Down" e a maravilhosa "Something More".


Pet Shop Boys - Actually (1987) - Parlophone / EMI

A maior dupla de sucesso no Reino Unido ganhou o mundo fazendo um synthpop de qualidade. Neil Tennant e Chris Lowe fazem música dançante sem hipocrisia e sem abrir mão da melodia. As letras, invariavelmente, falam de amores - correspondidos ou não -, comportamento - ortodoxo ou não -, misturando elementos latinos e world music. Os PSB atiram para todos os lados sem dó e sem perder a qualidade. Podem dividir o palco com David Bowie ou Liza Minelli, podem gravar um álbum ao vivo num teatro ("Concrete" - 2006) ou fazer a releitura da trilha sonora do antológico filme "O Encouraçado Potemkin" (1925) de Sergei Eisenstein, acompanhados pela filarmônica de Dresden.

Em "Actually", segundo álbum da dupla e com a produção primorosa de Stephen Hague, os PSB criaram um de seu maiores hits, "It's a Sin"; gravaram um dueto com Dusty Springfield, em "What Have I Done to Deserve This?" e trazem "Heart" que, a exemplo de "It's a Sin", alcançou o 1º lugar nas paradas britânicas.


Front 242 - Front by Front (1988) - RRE / Epic

No final dos anos 80, os fãs de música eletrônica, em especial de Eletro Body Music (EBM) eram felizes e não sabiam. Um selo, Stiletto, que era um subsidiário da Eldorado resolveu lançar diversos produtos de seus catálogos que uniam coisas tão diferentes como água e óleo, mas que faziam a alegria dos que queriam pagar menos por um álbum nacional, com o mesmo conteúdo (ou quase) do álbum importado. A Stiletto conseguiu unir sonoridades díspares como o Felt, Joy Division, Young Gods, Einstürzende Neubauten e tantos outros.

Nessa toada a Stiletto trouxe o clássico "Front by Front" da banda belga Front 242, o maior expoente do EBM no planeta. A EBM, para quem não conhece, é uma variável da música industrial (que usa instrumentos pouco ortodoxos como furadeiras e vidros quebrados), só que numa levada mais dançante. Tanto que, "Front by Front" trouxe o maior hit EBM da história que é "Headhunter", música que tem dezenas de remixes mundo a fora e foi usado até como sampler para funkeiro carioca.

Além de "Headhunter", o álbum nacional traz as sujas e dançantes "Until Death (Do Us Part)" e "Circling Overland". Uma pena, a irônica e maravilhosa "Welcome to Paradise" ficou de fora do LP made in Brazil.


The The - Soul Mining (1983) - Some Bizarre / Epic

Desde os 18 anos, o cantor, compositor e multi-instrumentista Matt Johnson, abandonou seu nome de batismo e transformou-se numa banda de um homem só que, eventualmente, contrata outros músicos para apresentações. Mas, em linhas gerais, Johnson grava todos os instrumentos de seu alter ego "The The".

Matt Johnson iniciou suas atividades no final dos anos 70. Misturava sintetizadores e bases sonoras gravadas. Buscava um synthpop original numa época de pós-punk e os primórdios da new wave.

Em 1983, "Soul Mining" é lançado. Teclados e batidas sincopadas acompanhados por melodias suaves para dançar ou apenas apreciar trouxeram dois hits importantes: "This is the Day" e a maravilhosa "Urcertain Smile". Há uma terceira faixa entre as duas "The Sinking Feeling" que eu gosto muito. Pop, sim. Mas com muito estilo. Detalhe: as capas do LP e do CD são diferentes. Aqui, reproduzo a do "bolachão", claro.


Bon Jovi - Slippery When Wet (1986) - Mercury

Acalmai, amigos! Não enlouqueci. Não sou fã da banda, nem tampouco das madeixas de outrora de seu mentor e vocalista. Mas... eu tinha que fazer uma média com a patroa, que é fã dos caras.

Bon Jovi é mais ou menos assim: hard rock farofa (ao que os americanos chamam de "hair metal") e meloso com um pouco de glam no visual e country rock na cozinha. Pronto: a receita dá certo há quase 30 anos com Bon Jovi e o inseparável Richie Sambora.

"Slippery When Wet", terceiro álbum da banda, catapultou a carreira dos caras ao estrelato definitivo. O disco foi o nº 1 em dezenas de paradas ao redor do mundo em 1986 e é lá que estão os maiores sucessos do grupo, como "You Give Love a Bad Name", "Livin' on a Prayer" e "Wanted Dead or Alive".

Na minha humilde opinião, dentro das limitações da banda, um disco bastante honesto e audível. E só.

Agora, uma listinha para você ouvir as músicas indicadas, com a inclusão de "Welcome to Paradise" do Front 242. Stay tuned!

Pearl by Chapterhouse on Grooveshark Falling Down by Chapterhouse on Grooveshark Something More by Chapterhouse on Grooveshark It's a Sin by Pet Shop Boys on Grooveshark What Have I Done to Deserve This? by Pet Shop Boys on Grooveshark Heart by Pet Shop Boys on Grooveshark Head Hunter (V3.0) by Front 242 on Grooveshark Until Death (Do Us Part) by Front 242 on Grooveshark Circling Overland by Front 242 on Grooveshark Welcome To Paradise by Front 242 on Grooveshark This is The Day by The The on Grooveshark The Sinking Feeling by The The on Grooveshark Uncertain smile by The The on Grooveshark You Give Love a Bad Name by Bon Jovi on Grooveshark Livin On A Prayer by Bon Jovi on Grooveshark Wanted Dead or Alive by Bon Jovi on Grooveshark

2 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Os textos são de autoria do Jornalista Sylvio Micelli. Publicação autorizada com a citação da fonte. Tecnologia do Blogger.

Labels

Funcionalismo (406) 2013 (344) Jornalismo e Nada Mais (294) Política (168) Assetj (166) Corinthians (159) Fespesp (141) 2014 (127) CNSP (110) Iamspe (89) CCM Iamspe (82) 2015 (23)