WhatsApp
(11) 987-135-444

14 de fevereiro de 2012

O Histórico do Corinthians na Copa Santander Libertadores - Parte II

por Sylvio Micelli

Vamos ao segundo post da série histórica sobre as participações do Corinthians na Copa Santander Libertadores. Hoje vamos relembrar 1999, 2000 e 2003. Para ler sobre 1977, 1991 e 1996 clique aqui!

O triênio 1998/2000 é, sem dúvida, o mais vitorioso na história do Timão. Fomos bicampeões brasileiros em 1998/9. Faturamos o Paulistão em 99. Ganhamos o primeiro Mundial de fato, feito pela Fifa em 2000 e podemos ainda contar com os vice-campeonatos no Paulistão de 1998 e a Copa do Brasil em 1999. Tudo seria ótimo e perfeito, se não faltasse a tal da Libertadores. E olha que o Corinthians disputou, pelas primeira vez, duas vezes seguidas em 1999 e 2000, mas naufragou mais uma vez, diante de um velho e conhecido rival: a Sociedade Esportiva Palmeiras.

4ª participação - 1999

27/02/1999 - Palmeiras 1-0 Corinthians
10/03/1999 - Corinthians 8-2 Cerro Porteño
17/03/1999 - Corinthians 2-1 Palmeiras
24/03/1999 - Cerro Porteño 3-0 Corinthians
26/03/1999 - Olimpia 1-2 Corinthians
09/04/1999 - Corinthians 4-0 Olimpia

Oitavas de final

14/04/1999 - Jorge Wilstermann 1-1 Corinthians
21/04/1999 - Corinthians 5-2 Jorge Wilstermann

Quartas de final

05/05/1999 - Palmeiras 2-0 Corinthians
12/05/1999 - Corinthians 2-0 (2-4)g.p. Palmeiras

Campeão Brasileiro de 1998, o Corinthians veio para a Libertadores do ano seguinte com um time fortíssimo e jogadores de indiscutível qualidade técnica, tática e a garra que a Fiel ama, como Gamarra, Rincón, Vampeta, Ricardinho, entre outros. Tudo indicava que, finalmente, a América seria alvinegra. Iniciamos no Grupo 3 ao lado do Palmeiras e de dois clubes do Paraguai: Cerro Porteño e Olímpia.

Para dar mais tempero à rivalidade, o Corinthians estreou contra o Palmeiras. Num jogo de arbitragem complicada e até hoje reclamada pelos corinthianos, o Palmeiras venceu por 1 a 0, gol de Arce. Kléber e Marcelinho Carioca foram expulsos e o clube segurou o Palestra, mesmo com nove jogadores, evitando um desastre maior. No jogo seguinte, o Corinthians aplicou sua maior goleada na história da competição. Sem dó, fez 8 a 2 no Cerro Porteño. Foram cinco gols de Fernando Baiano, além de Edilson, Índio e Silvinho. Mauro Caballero e Toledo fizeram os gols paraguaios. Em seguida, novo confronto diante do Palmeiras e vitória por 2 a 1, com gols de Marcelinho Carioca e Fernando Baiano. Paulo Nunes descontou para eles.

O Timão viajou ao Paraguai para fazer os dois jogos. Foi derrotado pelo Cerro Porteño por 3 a 0, num jogo pífio. Os paraguaios marcaram com Mauro Caballero, Gavilan e Gauchinho. Na partida seguinte, o Corinthians se recuperou vencendo o Olímpia por 2 a 1, numa das milhares viradas corinthianas no final do jogo. Marcelo Paredes marcou para o Olímpia. Vampeta e Ewerthon viraram o jogo para nós. Encerrando a primeira fase, o Timão fez 4 a 0 no Olímpia com três gols de Dinei e outro de Marcelinho Carioca. O Timão se classificou em primeiro do grupo.

Nas oitavas de final, o adversário foi o Jorge Wilstermann da Bolívia. Em Cochabamba, o Timão empatou em 1 a 1. Sérgio João marcou para os bolivianos e Marcelinho Carioca empatou o jogo. Na volta, no velho e bom Pacaembu, o Corinthians goleou por 5 a 2. Foram dois gols de Dinei, dois de Nenê e Edilson para nós. Villarroel e Cárdenas marcaram para os bolivianos. Timão classificado para as quartas de final. O adversário? O Palmeiras...

Alex e Fábio Luciano, observados por Edu
no Corinthians 2 X 0 Palmeiras - Libertadores 1999,
Morumbi - Gazeta Press
No primeiro jogo, o Palestra venceu por 2 a 0 com gols de Oséas e Rogério. Na volta, o Timão retribuiu o placar com gols de Edílson e Ricardinho. A decisão foi para os pênaltis e o Palmeiras levou a melhor. Rincón e Silvinho fizeram, mas Dinei e Vampeta perderam para o Corinthians; Arce, Evair, Rogério e Zinho fizeram para o Palmeiras. E mais uma vez, o sonho da Libertadores foi adiado. Pior: o arquirrival Palmeiras conquistaria sua única Libertadores naquele ano.

O time-base do Timão naquele ano era Nei; Índio, Gamarra, Batata e Kléber; Vampeta, Rincón, Ricardinho e Marcelinho; Edílson e Fernando Baiano. Ainda defenderam nossas cores: Dinei, Amaral, Rodrigo, Cris, Silvinho, Edu, Mirandinha, Pingo, Ewerthon, Márcio Costa, André Santos, Nenê e Maurício. O técnico era Evaristo de Macedo até as oitavas. Nas quartas de final, o Timão foi treinado por Oswaldo de Oliveira.


 5ª participação - 2000

16/02/2000 - América 2-0 Corinthians
03/03/2000 - Corinthians 6-0 LDU
14/03/2000 - Olimpia 2-2 Corinthians
05/04/2000 - Corinthians 2-1 América
11/04/2000 - LDU 0-2 Corinthians
19/04/2000 - Corinthians 5-4 Olimpia

Oitavas de final

03/05/2000 - Rosario Central 3-2 Corinthians
09/05/2000 - Corinthians 3-2 (4-3)g.p. Rosario Central

Quartas de final

18/05/2000 - Atlético Mineiro 1-1 Corinthians
23/05/2000 - Corinthians 2-1 Atlético Mineiro

Semifinal

30/05/2000 - Corinthians 4-3 Palmeiras
06/06/2000 - Palmeiras 3-2 (5-4)g.p. Corinthians

Bicampeão Brasileiro de 1999 e Campeão do Mundo em 2000 pela Fifa, o Corinthians iniciou a Libertadores daquele ano, mais uma vez, visando conquistar a América. Novamente no maldito grupo 3 (será esse o nosso azar?), pela primeira vez a competição envolvia diversos países e não apenas dois como nas disputas anteriores. O Corinthians ficou com o América do México, Olímpia do Paraguai e a Liga Deportiva Universitaria de Quito do Equador.

Na estreia, longe da torcida e no histórico Estádio Azteca, na cidade do México, o Timão foi derrotado pelo América por 2 a 0 com dois gols de Joel Sanchez. O segundo em jogo, em casa, o Corinthians fez 6 a 0 na LDU. Foram três gols de Luizão, Marcelinho Carioca fez de pênalti, Dinei e Capurro (contra) completaram o massacre. Para completar o primeiro turno, o Corinthians foi ao Paraguai para empatar com o Olímpia em 2 a 2, mesmo estando à frente do placar por duas vezes. Luizão e Marcelinho Carioca fizeram os gols do Timão. Esteche de pênalti e Paredes empataram para os paraguaios.

O segundo turno começou com o jogo de volta contra o América do México. E o Timão venceu, de virada, por 2 a 1. Blanco fez o gol mexicano no começo da partida. Vampeta e Dinei, no final do jogo, viraram o jogo. Na rodada seguinte, o Corinthians voltou a vencer no Equador a LDU por 2 a 0, gols de Luizão e Dinei. A última partida na primeira fase foi emocionante. Com viradas de um lado e de outro, o Timão bateu o Olímpia por 5 a 4. Baez por duas vezes, Esteche de pênalti e Quintana fizeram os gols paraguaios. Luizão marcou três gols, Vampeta fez o dele e Marcelinho Carioca deu a vitória ao Corinthians no final da partida. Primeiro do grupo, o Timão estava classificado para as oitavas de final.

O Corinthians teve um argentino pela frente em sua caminhada na Libertadores de 2000. Foi o tradicional Rosário Central e foram duas partidas muito duras. A primeira, na Argentina, o Timão chegou a estar perdendo por 3 a 0, com gols de Pizzi, Capeletti e Maceratesi. Mas Luizão conseguiu diminuir o estrago e fez dois gols, um já nos acréscimos. Derrota corinthiana por 3 a 2. No jogo de volta, no Pacaembu, emoção em dobro. O Timão conseguiu virar para cima dos argentinos e devolveu os 3 a 2. Luizão por duas vezes e Edílson marcaram para nós. Pizzi e Gordillo fizeram os gols argentinos. A decisão da vaga ficou para as penalidades máximas. Ricardinho, Marcos Senna, Luizão e Marcelinho marcaram para o Corinthians e Edu perdeu. Pizzi, Canals e Rivarola fizeram para o Rosário. Gonzales e Gordilo perderam. Timão classificado e o Pacaembu ficou pequeno para tanta festa.

Duelo nacional marcou a disputa das quartas de final. O Corinthians teve pela frente o Clube Atlético Mineiro, "refazendo" a final do Brasileiro de 1999 e que teve o Timão como campeão. No primeiro jogo em Minas, um empate de 1 a 1. Luizão fez para o Corinthians e Guilherme empatou para o Galo. Na volta, em São Paulo, o Timão abriu dois gols de vantagem no começo do jogo, com Edílson e Ricardinho. No segundo tempo, Guilherme converteu pênalti para o clube mineiro mas o 2 a 1 classificou o Corinthians para a inédita semifinal.

Na semifinal, o Corinthians reencontrava a "maldição verde" pela frente e contra o Palmeiras foram duas partidas épicas que, certamente fazem parte da história do futebol. No primeiro jogo o Timão venceu um eletrizante 4 a 3, com gols que pipocavam de um lado e de outro. Júnior, Alex e Euller marcaram para os palmeirenses. Ricardinho, Marcelinho Carioca, Edílson e Vampeta fizeram os gols alvinegros. Detalhe: o gol de Vampeta, aos 45 minutos do segundo tempo, quase trouxe o Morumbi a baixo.

Marcos comemora após defesa de pênalti de Marcelino Carioca
Libertadores 2000, Morumbi - Gazeta Press
No jogo da volta, mais uma partida difícil e o Corinthians provou de seu próprio veneno. Euller abriu o placar para eles, dois gols de Luizão fizeram a virada corinthiana. Alex e Galeano viraram de volta para o Palmeiras e o jogo terminou em 3 a 2. No tempo normal, o Timão não conseguiu o gol de empate que lhe daria a classificação para a final. Nova decisão de pênaltis e ninguém perdia as cobranças. Marcelo Ramos, Roque Júnior, Alex, Asprilla e Júnior fizeram os cinco gols palmeirenses. Ricardinho, Fábio Luciano, Edu e Índio fizeram os gols do Corinthians. A última cobrança seria um duelo de ídolos: Marcelinho Carioca de um lado e Marcos de outro. E o goleiro palmeirense prevaleceu. Marcos defendeu a cobrança e o Palmeiras eliminava o Corinthians mais uma vez.

Mais uma vez sob o comando técnico de Oswaldo Oliveira, único a treinar o time em duas Libertadores (Tite será o segundo), o time-base do Timão em 2000 foi: Dida; Daniel, Fábio Luciano, Adílson e Kléber; Vampeta, Edu, Marcelinho e Ricardinho; Edílson e Luizão. Também jogaram Dinei, Luís Mário, Augusto, Márcio Costa, Marcos Sena, Fernando Baiano, João Carlos, Gilmar, Maurício, Índio e Édson.


 6ª participação - 2003

05/02/2003 - Corinthians 1-0 Cruz Azul
19/02/2003 - Fénix 1-2 Corinthians
11/03/2003 - Corinthians 4-1 The Strongest
26/03/2003 - Cruz Azul 3-0 Corinthians
02/04/2003 - Corinthians 6-1 Fénix
09/04/2003 - The Strongest 0-2 Corinthians

Oitavas de final

01/05/2003 - River Plate 2-1 Corinthians
14/05/2003 - Corinthians 1-2 River Plate

Campeão da Copa do Brasil em 2002, o Corinthians encarou sua sexta participação no torneio sulamericano. Desta vez ficamos no Grupo 8, ao lado de Cruz Azul do México (que voltaremos a encontrar em 2012), o Fénix do Uruguai e o The Strongest da Bolívia. Em linhas gerais, o Timão não teve dificuldade em ser primeiro do seu grupo. Mais que isso: pela primeira vez, o Corinthians tinha a melhor campanha de toda a primeira fase. E como foi ela?

O Timão estreou em casa diante do Cruz Azul e venceu pelo placar mínimo. O gol foi marcado por Liédson, durante sua primeira passagem pelo alvinegro. Na rodada seguinte, o Corinthians bateu o Fénix no Uruguai por 2 a 1. Fábio Luciano e Jorge Wagner fizeram para nós, enquanto Campora descontou para os uruguaios. Pela terceira rodada, o Timão goleou o The Strongest por 4 a 1. Rogério, Anderson, Jorge Wagner, Liédson fizeram os gols do Corinthians, enquanto Ledezma descontou para o time boliviano. Nesse jogo, Liédson marcou o centésimo gol do Corinthians na Libertadores.

O Timão começou o segundo turno da Libertadores daquele ano de ressaca. A equipe havia acabado de conquistar mais um Paulistão sobre o São Paulo, depois de dois jogos vencidos por 3 a 2. O Corinthians viajou ao México e levou 3 a 0 do Cruz Azul, gols de Campos, Cacho, Palencia. Na rodada seguinte, o Timão fez 6 a 1 no Fénix, com dois gols de Gil, dois de Leandro, um de Fábio Luciano e outro de Liédson. Campora, novamente, anotou para os uruguaios. O Corinthians encerrou a primeira fase em La Paz. Com altitude e tudo, o Timão fez 2 a 0 no The Strongest, com gols de Liédson e Leandro.

Doni leva gol fatal de pênalti de Fuertes
Libertadores 2003, Morumbi - SportPress
Mesmo com melhor campanha na primeira fase, o Corinthians encarou um adversário de respeito nas oitavas de final: o River Plate da Argentina. Jogando no Monumental de Núñez, o Timão foi derrotado por 2 a 1. Pior: foi derrotado por virada e no final do jogo. Jorge Wagner fez o nosso gol, mas o time tomou a virada com gols de D'Alessandro e Cavenaghi. Na volta, jogando no Morumbi, o Corinthians foi punido pelo nervosismo e pela violência, com dois jogadores expulsos. E tomou outra virada. Liédson abriu o placar no começo do jogo. Demichelis e Fuertes de pênalti decretaram a virada argentina e mais uma eliminação do Timão no torneio. Detalhes da tragicomédia: um torcedor ficou preso por uma lança no Morumbi, antes do início do jogo que teve 66.666 pagantes. Mais número da besta, impossível.

Geninho foi o treinador da equipe, cujo time-base era: Doni; Rogério, Anderson, Fábio Luciano, Kléber; Fabinho, Vampeta, Renato, Leandro; Liédson e Gil. Lucas, Fumagalli, Cocito, César, Jorge Wagner, Roger, Fabrício, Pingo e Leandro Amaral também jogaram.


Acompanhe amanhã, a campanha do Corinthians em 2006, 2010 e 2011. É o reencontro terrível com o River Plate, a eliminação pelo Flamengo e fomos conhecer um tal Tolima de trágica memória.

Para ler sobre 1977, 1991 e 1996 clique aqui!

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Os textos são de autoria do Jornalista Sylvio Micelli. Publicação autorizada com a citação da fonte. Tecnologia do Blogger.

Labels

Funcionalismo (406) 2013 (344) Jornalismo e Nada Mais (294) Política (168) Assetj (166) Corinthians (159) Fespesp (141) 2014 (127) CNSP (110) Iamspe (89) CCM Iamspe (82) 2015 (23)